Ceará recebe R$ 900 mil para ampliação e investimento em projetos da Rede de Frio

SAÚDE
05 de dezembro de 2016

A Central Estadual de Armazenagem e Distribuição de Imunobiológicos  (CEADIM) no Ceará, vai receber R$ 900 mil do Ministério da Saúde para investimento em projetos centrais da Rede de Frio, ampliando assim a capacidade de armazenamento de imunobiológicos ofertados pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Esse recurso será destinado à construção e ampliação de áreas de armazenamento compostas por câmaras frigorificas. O investimento será liberado por etapas a medida em que houver comprovação da execução dos projetos de construção. NO total, o Ministério está investindo R$ 16,3 milhões em 18 projetos em todo o país. 

O objetivo é aprimorar o parque tecnológico da Rede de Frio do país, fundamental para a conservação de vacinas e soros do Programa Nacional de Imunizações (PNI) do Ministério da Saúde nos processos de armazenamento e distribuição.

De acordo com a coordenadora do PNI, Carla Domingues, a ampliação da Rede de Frio é importante para garantir a conservação dos imunobiológicos ofertados no SUS que, nos últimos anos, incluiu novas vacinas no Calendário Nacional de Imunização como a vacina HPV para meninas, a qual será ampliada para meninos a partir do próximo ano; a hepatite A para crianças e a vacina dTpa para gestantes. Além disso, a vacina Meningocócica C que é ofertada para crianças será ampliada para adolescentes a partir de 2017. Com a ampliação desse calendário, há necessidade de reforço em melhoria da Rede de Frio para que nós possamos manter as vacinas acondicionadas com qualidade e segurança.

CENTRAIS

Implantada há mais de 40 anos, a Rede de Frio ou Cadeia de Frio do Programa Nacional de Imunizações é o processo de armazenamento, conservação, manuseio, distribuição e transporte dos imunobiológicos ofertados pelo Programa. É composta por equipamentos e procedimentos padronizados, além de uma equipe técnica qualificada, comprometida em oferecer as condições adequadas de refrigeração, desde o laboratório produtor até o momento em que a vacina é administrada. 

Atualmente, a estrutura da Rede de Frio é composta por 27 centrais estaduais, sendo 307 regionais e mais de 750 centrais municipais. Os equipamentos utilizados para a garantia da qualidade dos imunobiológicos vão desde câmaras frigoríficas, congeladores (freezer), refrigeradores tipo comercial, caminhões e furgões frigoríficos até caixas térmicas, termômetros e bobinas.

Com informações do MS.